Gatorade: não é benéfico? post image

Gatorade: não é benéfico?

Fique sabendo por que as bebidas isotônicos (Gatorade, Powerade) não passam de uma mistura de açúcar, sal e água, e por que elas são dispensáveis na prática do esporte e na corrida.

[kkstarratings]

Precisamos mesmo de eletrólitos enquanto corremos?

Em meados do século passado, especialistas do Sport Science Institute da África do Sul sugeriram que a utilização de hidratos de carbono e electrólitos durante a corrida teria resultados positivos. No entanto, é importante referir que eles acabaram negando esta mesma afirmação(1).

De fato, se você beber poucos líquidos (bem como líquidos em demasia) durante a maratona, isso irá seguramente afetar negativamente o resultado, mas os especialistas atuais tendem a questionar os efeitos das bebidas esportivas e a dar preferência à água pura e não a uma mescla açucarada.

O Gatorade difere da Coca-Cola?

Os fabricantes afirmam que as bebidas esportivas, como o Gatorade ou o Powerade, contêm “eletrólitos, frutose e sacarose”, mas, na sua essência, isso se resume tudo a sal e açúcar(3) (lembramos que o açúcar de mesa nada mais é do que uma mistura de sacarose e frutose).

O Dr. Carl Heneghan, da Universidade de Oxford, argumenta que as bebidas esportivas acima mencionadas diferem dos refrigerantes altamente gaseificados (produzidos pelas mesmas empresas PepsiCo e Coca -Cola) em apenas um elemento: a inexistência de gás(1).

As bebidas esportivas funcionam mesmo?

O professor Tim Noakers, da Universidade de Cape Town, diz que os estudos que acusam efeitos positivos de bebidas esportivas foram patrocinados diretamente pelos fabricantes e exclusivamente em atletas profissionais(1).

Além disso, embora a utilização de tais bebidas possa vir a influenciar positivamente o desempenho do treino, elas requerem pelo menos uma hora para serem assimiladas pelo organismo. Não vale a pena acreditar que um gole de Powerade será magicamente absorvido instantaneamente.

Por que a publicidade da Gatorade mente?

A European Food Safety Authority investigou mais de uma centena de afirmações referentes às bebidas esportivas transmitidas em meios e constatou que apenas seis correspondiam à verdade. Os benefícios das bebidas são notados exclusivamente em caso de exercícios de alta intensidade por mais de 60 minutos.

O chefe da organização, o professor Albert Flynn, disse à BBC que os fabricantes levam o consumidor deliberadamente ao engano ao venderem bebidas esportivas em supermercados convencionais e ao exibir em seus anúncios apenas atletas profissionais(1).

Por que o Powerade é inimigo da perda de gordura?

O professor de medicina esportiva Tim Noakes afirma que sem bebidas esportivas e isotônicos, a duração e eficiência de seu treinamento terão propensão a serem maiores(1). Sem mencionar o fato de que assim você queima mais gordura.

Tendo em conta que uma garrafa de bebida contém 30-40 g de açúcar, o seu jogging de trinta minutos vai todo para queimar as calorias deste açúcar(2). Além disso, a FitSeven já referiu antes que a presença de açúcar no sangue inibe os processos de queima de gordura.

Powerade Zero

A empresa Coca-Cola reconheceu indiretamente as vozes contra que acusam as bebidas esportivas de conterem muito açúcar e reagiu, soltando no mercado de alguns países (no Reino Unido, por exemplo) uma variante light da bebida, sem carboidratos nem caloreias, o Powerade Zero(3).

Mas fica então a questão, o que é que nesse caso entra na composição de uma bebida esportiva que não contém carboidratos (e, portanto, não dá energia), e com que artes mágicas ela conseguirá aumentar a eficiência de qualquer atividade esportiva?

Patrocínio dos Jogos Olímpicos

Os adversos a bebidas esportivas afirmam que a publicidade da Powerade ou Gatorade, que constrói uma matriz associativa entre o esporte e consumo obrigatório da bebida, exagera muito estes benefícios, enganando desse jeito o consumidor(1).

O patrocínio de eventos esportivos como os Jogos Olímpicos e a copa EUFA 2012, juntamente com bilhões de dólares em campanhas publicitárias das “empresas do açúcar”, são feitos para convencer o consumidor de que esta bebida de alto valor calórico é benéfico para a saúde e é “esportista”.

***

O consumo de bebidas esportivas (isotônicos) na prática do esporte é altamente questionável. A afirmação de que elas são necessárias para o tradicional jogging ou para atividades de exercícios de baixa intensidade (como fitness ou yoga), não é mais do que propaganda grosseira.

Referências:

  1. BBC Panorama — Powerade — Does It Work?, source
  2. Sports drinks: the myths busted, source
  3. 3 Sports Drinks to Avoid, source

Adicionar novo comentário: